Contra vazamentos, policiais não sabiam que prenderiam Queiroz

Os policiais envolvidos na operação que prendeu Fabrício Queiroz nesta quinta-feira (18) não sabiam que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro era o alvo.

Segundo o delegado da Polícia Civil de São Paulo Nico Gonçalves, os agentes não foram avisados quem prenderiam para evitar que a operação vazasse.

“Não demos ciência para os policiais para não haver nenhum tipo de vazamento, nada”, disse Nico em entrevista à CNN. Os policiais foram informados sobre a operação às 4h de hoje.

A precaução aconteceu após o empresário Paulo Marinho revelar que o senador Flávio Bolsonaro soube com antecedência que Queiroz seria alvo de uma operação da Polícia Federal. O fato está sendo investigado pela Justiça.

Prisão de Queiroz

Fabrício Queiroz foi preso nesta manhã em um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. O imóvel pertence ao advogado de Flávio Bolsonaro, Frederick Wassef. As informações sobre o paradeiro do ex-assessor foram dadas à Polícia Civil pelo caseiro do sítio.

A prisão faz parte de desdobramento da investigação que apura esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, que é o desvio de públicos por meio da devolução parcial de salário pelos assessores. O policial militar aposentado também é investigado por lavagem de dinheiro fazendo transações imobiliárias com valores de compra e venda fraudados. Ele teria movimentado R$ 1,2 milhão em sua conta bancária de forma atípica, de acordo com o Coaf (Conselho de Atividades Financeiras).