Recuperação econômica pode ser mais rápida, diz ata do Copom sobre estímulos do governo

Mesmo com a projeção de queda de 6,50% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, em decorrência da pandemia da Covid-19, o Comitê de Política Monetária (Copom) considera que a atividade pode se recuperar mais rapidamente graças aos impactos dos programas de estímulo creditício e de recomposição de renda sobre a demanda agregada.

“Na avaliação do Comitê, esses programas têm potencial de recompor parte significativa da demanda agregada que seria perdida devido aos efeitos da pandemia. Com isso, a recuperação da economia pode ser mais rápida que a sugerida no cenário base”, considerou o colegiado, na ata da última reunião.

O Banco Central (BC) reafirmou ainda na ata do último encontro do Copom que perseverar o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. “O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia.”

As ideias já haviam sido expressas pelo BC no comunicado do último encontro do Copom, divulgado na quarta-feira (17). Na ocasião, o colegiado reduziu a Selic de 3,00% para 2,25% ao ano.

*Com informações do Estadão Conteúdo