Mudanças climáticas podem levar ursos polares à extinção em menos de 80 anos, diz estudo


Cientistas alertam para riscos de se manter as emissões de gases estufa no ritmo atual: queda na reprodução colocará em risco a permanência da espécie até 2100. Urso-polar é visto bem magro perto de Tilichiki, na Rússia, a centenas de quilômetros de seu habitat natural, em foto de 16 de abril de 2019
Alina Ukolova/AP/Arquivo
A mudança climática pode levar, até 2100, à quase extinção dos ursos polares, incapazes de se alimentar na ausência de blocos de gelo – alerta um estudo publicado nesta segunda-feira (20) na revista “Nature Climate Change”.
Ursos polares estão ficando sem gelo no Ártico, diz estudo
Faminto, urso polar é encontrado a 800 km de seu habitat natural na Rússia
Se as emissões de gases causadores do efeito estufa continuarem no mesmo ritmo dos dias atuais, “a queda da reprodução e da sobrevivência colocará em risco a permanência de quase todas as sub-populações até 2100”, escreveram os pesquisadores.
Os autores do estudo ainda disseram que – mesmo em um cenário mais favorável – a extinção destes animais emblemáticos do Ártico será apenas adiada, mas não impedida. Os cientistas reconheceram, no entanto, não poder estimar quando cada população será afetada.
A pesquisa estabeleceu um modelo matemático que consegue prever os futuros impactos a partir da observação do comportamento dos ursos polares entre os anos 1979 e 2016. Eles reforçaram que o processo de degelo do Polo Norte afeta diretamente a reprodução e sobrevivência dos animais.
“Combinamos os limites de tempo que os animais podem jejuar com os dias sem gelo”, escreveram os pesquisadores. “Tudo a partir de um grande conjunto dentro de um modelo de sistema da Terra, que revela quando os impactos demográficos provavelmente ocorrerão em diferentes subpopulações no Ártico”.
Globo Natureza: Urso Polar