Chance de transmissão da Covid-19 entre mães e bebês é pequena se houver precauções, sugere estudo


Pesquisa com 120 recém-nascidos cujas mães tinham a doença, causada pelo novo coronavírus, não viu transmissão para os bebês, mesmo depois de duas semanas de amamentação. Cientistas alertam, entretanto, que o estudo foi pequeno e precisa ser confirmado com mais participantes. Mulher grávida é vista de máscara durante a pandemia de Covid-19 em Waltham, nos EUA
Charles Krupa/AP
Uma pesquisa feita nos Estados Unidos com 120 recém-nascidos de mães que tinham Covid-19 não encontrou transmissão da doença para os bebês, nem durante o parto, nem depois de duas semanas de amamentação. O estudo foi divulgado nesta quinta-feira (23) em uma revista do grupo “The Lancet”, um dos mais importantes do mundo.
Todos os bebês foram testados para a doença nas primeiras 24 horas após o nascimento, e nenhum recebeu resultado positivo. Na amamentação, as mães usaram máscaras médicas ao terem contato com os bebês e lavaram as mãos e os seios com frequência.
“Sabemos que o contato da pele com pele e a amamentação são importantes tanto para o vínculo mãe-bebê quanto para a saúde infantil a longo prazo”, afirmou Patricia DeLaMora, uma das líderes do estudo e médica do hospital infantil em Nova York afiliado à Universidade de Cornell.
“Nossas descobertas sugerem que bebês nascidos de mães com infecção por Covid-19 ainda podem se beneficiar disso com segurança, se as medidas de controle de infecção apropriadas forem seguidas”, disse DeLaMora.
Mulher grávida é vista com roupas protetoras contra a Covid-19 em Nova York, no dia 27 de abril.
Johannes Eisele / AFP
Os 120 bebês e as 116 mães eram todos pacientes de 3 hospitais em Nova York. Todos os nenéns puderam ficar no quarto junto com a mãe e ser amamentados, desde que as mães estivessem bem o suficiente para fazê-lo.
Quando não estavam mamando, os recém-nascidos eram mantidos em berços fechados, a pouco menos de 2 metros de distância da mãe.
Grávida com Covid-19 é submetida a cesariana de emergência em UTI do Hospital das Clínicas em SP
Bebê que nasceu em UTI de Covid-19 do HC recebe alta; mãe tem melhora e vê filha por videoconferência
As pesquisadoras obtiveram dados de acompanhamento de 82 dos 120 bebês quando eles tinham entre 5 e 7 dias de vida. Desses, 68 dividiam o quarto com a mãe (83%) e 64 ainda eram amamentados. Quase todos os bebês (79) foram testados para o coronavírus de novo nesse período, e o resultado foi negativo mais uma vez.
Com duas semanas de vida, 72 dos 82 bebês fizeram, ainda, um terceiro teste, de novo negativo. Nenhum dos bebês teve sintomas da doença. Quando completaram um mês de idade, 53 nenéns passaram por uma consulta remota. Todos continuaram clinicamente bem e estavam crescendo adequadamente.
“Esperamos que nosso estudo dê alguma tranquilidade às novas mães de que o risco de elas passarem Covid-19 para seus bebês é muito baixo”, explicou Christine Salvatore, uma das líderes do estudo e médica do hospital infantil em Nova York afiliado à Universidade de Cornell.
A pesquisadora lembrou, entretanto, que o estudo foi pequeno e são necessários outros, maiores, para entender melhor os riscos de transmissão entre mãe e bebê.
Outra ressalva foi que o teste diagnóstico usado no estudo foi o PCR, que analisa amostras retiradas do nariz. Se os bebês tivessem sido infectados no útero, é possível que o vírus não estivesse presente nessas amostras; a presença do vírus não foi analisadaem amostras de sangue, urina ou fezes porque esses testes ainda não estavam validados no momento do estudo.
Há dez dias, um caso publicado na revista cientifica “Nature”, uma das mais importantes do mundo, se tornou o primeiro em que cientistas conseguiram determinar que um bebê foi infectado pela Covid-19 ainda na barriga da mãe.
Bebê recebe alta com aplausos no Hospital das Clínicas
Initial plugin text
Busque pelo título do caso