Melhor do Paulistão, Bragantino derrota São Paulo por 3 a 2 no Morumbi

O São Paulo não voltou para o Campeonato Paulista como gostaria o torcedor. No Morumbi, o time começou bem, e caiu de rendimento e acabou derrotado por um Bragantino que soube aproveitar espaços e anular as melhores peças do adversário . O resultado de 3 a 2 para o visitante não prejudicou tanto o Tricolor, que já está classificado para as quartas de final, mas tirou a possibilidade da equipe assumir a ponta da classificação geral no torneio.

O jogo

Mesmo depois de quatro meses sem futebol, ninguém teve vida fácil no Morumbi. Logo aos seis minutos do primeiro tempo, em um cruzamento feito na medida por Reinaldo, Pablo subiu entre a zaga reserva do time de Bragança Paulista para abrir o placar. O gol abriu o jogo, e minutos depois, Vitor Bueno teve mais uma boa chance, servido por Reinado, na entrada da área. O camisa 12 arrematou rasteiro, e a bola foi para fora. Não demorou muito para a resposta do Bragantino. Aos 12, Artur foi preciso na roubada de bola na meia direita, deixou dois marcadores para trás e deu a Matheus Jesus, que de fora da área, empatou o jogo.

Com o placar igual, as equipes ficam presas no meio de campo. Os jogadores do São Paulo invertiam posições para levar mais perigo, mas foi Morato, do Bragantino e ex-Tricolor, que quebrou essa dinâmica, ao virar o jogo, aos 34. O atacante recebeu de Ligger, se safou de Arboleda com dois cortes, sem dificuldades, e bateu no cantinho do goleiro Tiago Volpi, para fazer valer a ‘lei do ex’ no Morumbi.

O toma lá da cá continuou, e Pablo, novamente, colocou o Tricolor em pé de igualdade. Aos 38, Igor Gomes, um dos melhores do time na primeira etapa, deu a Daniel Alves, que tocou com categoria e de letra para o atacante chutar de longe, sem chances para Julio Cesar. No final do primeiro tempo, Ryller evitou uma pintura de Pato. O camisa 7 fez uma ótima jogada individual, cortando dois adversários e batendo para o gol. O volante salvou o time quase que em cima da linha.

Bragantino é melhor no segundo tempo

O Bragantino voltou do intervalo disposto a levar os três pontos e a liderança da classificação geral para casa. O time esboçou uma pressão, mas a melhor chance nos primeiros minutos veio do lado oposto, com Pato. Após cruzamento perfeito de Juanfran na direita, ele subiu livre e cabeceou na trave.

O momento do Tricolor era melhor quando o Braga tomou a frente com um golaço de Artur. Em tabela com Vitinho na entrada da área, ele bateu de perna esquerda e acertou o ângulo direito de Volpi, que se esticou, mas não alcançou a bola. Diniz tentou dar um novo gás à equipe, e trocou Arboleta e Vitor Bueno, que não vinham bem na partida, por Everton e Liziero, mas o time pouco incomodou o adversário. Tche Tche e Daniel Alves foram completamente anulados pela marcação.

O bom momento deu espaço para a ousadia de Claudinho, do Braga. Ele viu Thiago Volpi adiantado e tentou finalizar do meio de campo. A jogada não deu certo, e o goleiro do Tricolor ficou com a bola. Revelado na base do São Paulo, Paulinho Boia, inscrito no lugar de Antony, ganhou uma chance ao substituir Juanfran. Na primeira participação na partida, ele finalizou da entrada da área, mas a bola ficou com Julio Cesar.

Com problemas na criação e saída de bola, o Tricolor cansou. As substituições de Diniz não fizeram efeito, e os problemas defensivos se sobressaíram com a criatividade e organização do Braga. Um dos poucos bons momentos do time após o gol foi com Pato, já aos 28, colocado, mas para fora.

Já classificado, o São Paulo enfrenta o Guarani na última rodada. Uma vitória ajudaria o rival, Corinthians, que faz as contas para conseguir o acesso às quartas de final. O Bragantino enfrenta o Botafogo-SP.

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 2 x 3 BRAGANTINO

SÃO PAULO – Tiago Volpi; Juanfran (Paulinho Boia) Bruno Alves, Arboleda (Everton) e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves e Igor Gomes (Helinho); Vitor Bueno (Liziero), Pablo e Alexandre Pato (Hernanes). Técnico: Fernando Diniz.

BRAGANTINO – Júlio César; Weverton, Fabrício Bruno, Ligger e Luan Candido (Edmar); Ricardo Ryller (Barreto), Matheus Jesus (Weverson) e Vitinho; Artur (Uillian Correa), Ytalo e Morato (Claudinho). Técnico: Felipe Conceição.

GOLS – Pablo, aos 6 e aos 38, Matheus Jesus, aos 12, Morato, aos 34 minutos do primeiro tempo; Artur, aos 20 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRA – Edina Alves Batista.

CARTÕES AMARELOS – Reinaldo, Daniel Alves e Tchê Tchê (São Paulo); Vitinho e Matheus Jesus (Bragantino).

LOCAL – Estádio do Morumbi, em São Paulo.