Perda permanente de olfato pela Covid-19 é improvável, sugere pesquisa de Harvard


Cientistas chegaram à conclusão depois de entender quais células do nariz são atingidas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Pesquisa foi publicada na revista científica ‘Science’, uma das mais importantes do mundo. Mulher se retrai enquanto tem amostra do nariz recolhida para teste de Covid-19 em Mumbai, na Índia, nesta segunda-feira (27).
Indranil Mukherjee / AFP
Um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, sugere ser improvável que a Covid-19 cause perda de olfato de forma permanente. Isso porque as células do nariz atingidas pelo novo coronavírus servem apenas de “apoio” à percepção de odores: as células que transmitem os cheiros para o cérebro (os neurônios olfativos) não são afetadas pelo Sars-Cov-2.
A pesquisa foi publicada na revista científica “Science”, uma das mais importantes do mundo, na sexta-feira (24).
“Acho que é uma boa notícia, porque, uma vez que a infecção desaparece, os neurônios olfativos parecem não precisar ser substituídos ou reconstruídos do zero”, explicou Sandeep Robert Datta, um dos líderes do estudo e professor de neurobiologia da Faculdade de Medicina de Harvard.
Os cientistas afirmam, entretanto, que mais dados são necessários para confirmar essa constatação. Além disso, o jeito exato pelo qual o Sars-Cov-2 altera o olfato ainda é desconhecido.
No estudo, os pesquisadores ponderam que, se os neurônios olfativos fossem atingidos, os pacientes com Covid poderiam levar meses para recuperar o olfato – e não semanas, como ocorre na maioria dos casos.
Vulnerabilidade
Foto microscópica mostra célula humana sendo infectada pelo Sars Cov-2, o novo coronavírus
NIAID via Nasa
Os resultados do estudo sugerem que os neurônios sensoriais olfativos não são vulneráveis à infecção pelo novo coronavírus porque eles não têm uma proteína, chamada ACE2, que o vírus usa para entrar nas celulas e infectá-las. Esses neurônios são os responsáveis por detectar os cheiros e transmiti-los ao cérebro.
LONGA RECUPERAÇÃO: Estudo conclui que pacientes com sintomas leves de Covid-19 podem demorar semanas para se recuperar plenamente
Em vez disso, a ACE2 aparece em células que fornecem suporte metabólico e estrutural a esses neurônios. Elas também apoiam algumas células-tronco e células dos vasos sanguíneos.
“Nossas descobertas indicam que o novo coronavírus altera o sentido do olfato nos pacientes não infectando diretamente os neurônios, mas afetando a função das células de suporte”, explicou Datta.
A perda do olfato (anosmia) é um dos principais sintomas da Covid-19 relacionados ao cérebro, mas o mecanismo por trás dela não está totalmente claro.
Já havia estudos que sugeriam que a perda de olfato causada pelo Sars-Cov-2 é diferente daquela provocada por outros vírus: os pacientes podem sofrer do problema mesmo sem sentir o nariz “entupido”, por exemplo.
Para os cientistas de Harvard, as descobertas são consistentes com as hipóteses de que o Sars-Cov-2 não infecta diretamente os neurônios, mas interfere na função cerebral afetando as células vasculares no sistema nervoso. Esse mecanismo, entretanto, ainda requer mais estudos para ser confirmado, afirmaram.
Pesquisa conclui que pacientes com sintomas leves podem demorar semanas pra se recuperar
Initial plugin text
Busque pelo título do caso