Em qualquer faixa de renda, comunidades negras nos EUA registram cerca de 3 vezes mais casos da Covid-19, diz estudo


Ao observar que somente a renda não é fator determinante para explicar disparidade dos casos de coronavírus em bairros negros, pesquisa conclui que racismo ajuda a entender porque população negra tem sido mais afetada pela pandemia nos EUA. 24 de maio – Funcionário da limpeza caminha pela Broadway, perto da Times Square, após o surto de coronavírus (COVID-19), em Manhattan, Nova York
Andrew Kelly/Reuters
Com a maioria dos casos da Covid-19 registrada em regiões com maior população negra e hispânica nos Estados Unidos, pesquisadores examinaram se há relação entre raça/etnia e renda com as infecções e mortes pelo coronavírus no país. Eles concluíram que, apesar de ser um agravante, a renda não é fator determinante para explicar a disparidade da pandemia entre os negros.
Conduzida por pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, a pesquisa foi publicada nesta terça-feira (28), na revista científica JAMA, e analisou dados de 10 grandes cidades americanas atingidas pela pandemia: Nova York, Boston, Nova Orleans, Detroit, Los Angeles, Atlanta, Miami, Chicago, Philadelphia e Seattle.
Ao analisarem dados do censo nacional e dos registros da Covid-19 feito pelo CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças, agência ligada ao Departamento de Saúde), o estudo observou que, mesmo entre as regiões com renda média a alta, as comunidades predominantemente negras têm maiores registros, com cerca de três vezes mais de casos e mortes de coronavírus do que o registrado em bairros de maioria branca.
Senador americano sugere que negros morrem mais de Covid-19 porque ‘não lavam as mãos tão bem’
Por que o coronavírus mata mais as pessoas negras e pobres no Brasil e no mundo
No entanto, os cientistas destacaram que a renda também desempenha um papel importante para explicar a disparidade de casos entre brancos e negros nos EUA, já que as diferenças mais acentuadas foram encontradas em municípios de baixa renda, onde os moradores de comunidades predominantemente negras morreram pela Covid-19 nove vezes mais do que os moradores de bairros predominantemente brancos.
“Dadas as nossas conclusões, acreditamos que o racismo estrutural possa explicar essas disparidades raciais no número de casos e mortes observados nas regiões negras (independentemente da renda)”, disse Samrachana Adhikari, professora assistente do Departamento de Saúde da População da Universidade de Nova York, no material de divulgação da pesquisa.
EUA ultrapassam os quatro milhões de infectados pela Covid-19
Covid-19 e cidades com maioria negra
Nos Estados Unidos, dados levantados pelo APM Research Lab mostra que negros morreram a uma taxa de 50,3 por 100 mil pessoas, comparado com 20,7 para pessoas brancas, mais que o dobro.
Em Chicago, 30% dos moradores são negros. Mas metade dos casos confirmados e 70% das mortes relacionadas ao coronavírus são de pacientes negros. Os números refletem desigualdades históricas na cidade, onde moradores negros têm expectativa de vida 8,8 anos menor que a dos brancos.
Relaxamento do distanciamento e aglomerações são responsáveis por novos surtos em países que tinham controlado a pandemia, alerta OMS
Na cidade de Nova York, os negros representam 22% da população, mas dados preliminares indicam que são cerca de 30% das vítimas. Na capital americana, Washington, 60% das mortes foram de pacientes negros, apesar de apenas 46% dos residentes serem negros.
Escala criada nos EUA classifica risco de contaminação da Covid-19 em atividades diversas
Initial plugin text