Os dilemas que apertam o calo da indústria calçadista

Presidente da Assintecal revela em entrevista que, se por um lado o dólar valorizado oferece maior competitividade nas exportações, a alta generalizada dos insumos joga contra

“Haverá um repasse para o consumidor, mas não será possível incorporar todos os aumentos de custos”, diagnostica Berwanger

Pelos próximos dois anos, Gerson Luis Berwanger (foto) será o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal). Ao lado da diretoria executiva formada por 13 empreendedores que lideram algumas das maiores empresas do setor, ele terá o desafio de trabalhar para fortalecer a exportação de componentes e ampliar o portfólio de serviços da entidade.

Presidente da Bertex Produtos para Moda, que atua há 14 anos no mercado, Berwanger tem 54 anos e trabalha na área desde os 12. Nesta entrevista ao Portal AMANHÃ, ele fala sobre a falta de matérias-primas e o impacto da valorização do dólar na cadeia calçadista. Também avalia o desafio de assumir a gestão em um momento delicado para o setor e para a economia global e brasileira.

Como a Assintecal está tratando a falta de insumos, propagada por diversos ramos da indústria?
Primeiramente, fizemos um amplo levantamento junto aos associados dos materiais que estavam faltando. Diversas reuniões foram organizadas com fornecedores e suas associações para verificar se haveria soluções à vista. Levantamos 48 materiais que estavam em desabastecimento, em função das altas de preços. Nessas reuniões, foram discutidas várias possibilidades, encontradas algumas soluções, mas, principalmente, verificou-se que o problema era pontual e não estrutural. A cadeia produtiva estava completamente desestruturada e levaria algum tempo para adequar-se. Esse entendimento entre os setores foi muito importante para todos.

O senhor pode nos dar uma referência das maiores variações das matérias-primas do setor?
Essa é uma pergunta bastante difícil de responder, pois as variações de preço são diárias e, sobretudo, por esses insumos terem os preços dolarizados. A alta da moeda norte-americana fez com que as altas se acentuassem, e o mais grave é que não existe disponibilidade de mercadoria.

A cadeia calçadista, na sua visão, repassará o reajuste ao consumidor final?
Sim, haverá um repasse para o consumidor, mas não será possível incorporar todos os aumentos de custos — pois onde houve um maior consumo foi exatamente na classe C, que tem como maior atrativo da compra o preço.

Como esse impacto da falta e da valorização dos insumos, aliado ao fator-dólar, vai impactar no ramo calçadista brasileiro?
Existem dois impactos. Um positivo, que é uma maior competitividade nas exportações; e um negativo, que é a alta generalizada dos insumos.

O senhor teme que esse cenário atinja a competitividade do setor?
Certamente haverá impactos em toda a cadeia, que já prevê uma queda de 32% de produção este ano. E, mesmo em um cenário otimista, prevê-se que no próximo ano a nossa produção somente recupere uma parte dessas perdas.

Por outro lado, o dólar alto tem ajudado quem exporta calçados e, também, seus artefatos. As associadas da Assintecal podem contar com isso para amenizar o atual cenário?
As empresas que fazem parte do programa ByBrasil Components, Machinery and Chemicals [realizado pela Assintecal, Apex-Brasil e Abrameq, com o objetivo de ampliar as relações comerciais dos fabricantes brasileiros com o mercado externo, oferecendo soluções adequadas a cada nível de internacionalização e mantendo ao alcance das empresas ações de promoção comercial, inteligência, capacitação, entre outros] certamente terão oportunidades maiores em exportar tanto pela valorização do dólar, como também pela paralisação das indústrias de outros países.

A Assintecal pedirá ao governo federal alguma ajuda para o setor?
As solicitações que encaminhamos ao governo são feitas sempre setorialmente, unindo as associações do setor para que sejam vistas. Essa unidade trata de questões e problemas e também dos benefícios advindos.

A manutenção da desoneração da folha dá certo alívio ao setor ou não o tira da UTI?
A desoneração do setor é uma importante conquista que beneficia a todos. Nesse momento em que o emprego é uma medida que devemos ter em mente, a desoneração da folha é não só um alívio como um incentivo para sua manutenção.

O senhor assume justamente em um momento delicado para o setor e para a economia global e nacional. Como o senhor pretende enfrentar tantas barreiras em conjunto?
Com muito trabalho em conjunto, parcerias e investimentos em inovações, sustentabilidade e design para diferenciar nossos produtos.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Jogadores da NBA se reúnem com Papa Francisco para debater justiça social

Cinco jogadores da NBA foram convidados pelo Papa Francisco para comparecerem ao Vaticano e debaterem questões sociais. Entre os nomes selecionados para a reunião...

Tênis: Dupla com brasileiro encerra temporada como a melhor do mundo

A Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) anunciou que a dupla do brasileiro Bruno Soares e o croata Mate Pavic encerrou a temporada como a...

Liga dos Campeões: Inter x Real Madrid e PSG tentando se reerguer; veja todos os jogos da semana

Após uma pausa de duas semanas, a Liga dos Campeões da UEFA está de volta. Por causa da pandemia de Covid-19, a fase de...

D’Alessandro anuncia que deixará o Inter no fim de 2020: ‘Decisão pessoal’

O meia argentino Andrés D’Alessandro, do Internacional, anunciou nesta segunda-feira, 23, que vai deixar o clube gaúcho em janeiro. O jogador de 39 anos...

Grêmio anuncia renovação de contrato do treinador Renato Gaúcho

O Grêmio oficializou na tarde desta segunda-feira, 23, a extensão do vínculo do técnico Renato Gaúcho até o dia 28 de fevereiro de 2021,...