Confiança do comércio segue em alta

Icec de novembro indica ritmo de crescimento menor, influenciado pela redução do valor do auxílio emergencial e pressões inflacionárias

Impulsionada pela proximidade das festas de fim de ano, a intenção de contratar pelo comércio avançou em todas as regiões

DO Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 4,1% em novembro e alcançou 108 pontos, permanecendo no patamar de otimismo (acima de 100 pontos) pelo segundo mês consecutivo. No comparativo anual, houve queda de 11,9%. O indicador segue se recuperando após a mínima histórica em junho, mas a taxa de variação mensal é a menor registrada desde agosto. A confiança do comércio ainda está 20 pontos abaixo do nível pré-pandemia.

De acordo com a CNC, José Roberto Tadros, a redução do valor do auxílio emergencial e pressões sobre os preços, principalmente de produtos essenciais, têm influência na desaceleração do crescimento.

Os principais subíndices do Icec registraram evolução, com destaque para aquele referente à satisfação dos comerciantes com as condições atuais (+10,4%), que chegou a 78,6 pontos – o quarto avanço seguido. O indicador, contudo, ainda está 19,3% atrás do nível verificado em novembro de 2019. Especificamente em relação à economia, os empresários do comércio se mostraram 11,3% mais satisfeitos do que em outubro – item com o maior crescimento mensal entre todos os analisados pela pesquisa.

O índice que mede as intenções de investimento acumulou o quarto aumento mensal consecutivo (+3,9%), chegando a 94,6 pontos. A intenção de contratação de funcionários foi um dos destaques, subindo 4,6%, chegando a 125,6 pontos e retornando ao nível pré-pandemia. “Impulsionada pela proximidade das festas de fim de ano, a intenção de contratar pelo comércio avançou em todas as regiões do país”, destaca Izis Ferreira, economista da CNC. A proporção dos comerciantes que pretendem aumentar o quadro de funcionários aumentou de 65%, em outubro, para 72,4%, em novembro.

O indicador dos estoques foi o único entre os componentes da pesquisa que registrou queda mensal (-0,6%) – a segunda consecutiva. Entre agosto e setembro, o índice havia apresentado a primeira melhora em sete meses, o que não se sustentou. Segundo Izis, a proporção de comerciantes com estoques acima do adequado cresceu durante a pandemia. O fechamento das lojas nos segmentos considerados não essenciais tornou os estoques obsoletos em grande parte dos estabelecimentos e, mesmo com o aumento das vendas pelos canais digitais, a restrição ao fluxo de pessoas para conter a disseminação da Covid-19 oprimiu as vendas físicas.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Em corrida marcada por acidente de Grosjean, Hamilton vence GP do Bahrein

Em corrida marcada pelo grave acidente envolvendo Romain Grosjean, que se enroscou com Daniil Kvyat na largada e viu seu carro explodir, Lewis Hamilton...

Campeonato Inglês: Cavani garante virada épica do United sobre o Southampton

A vitória do Manchester United no Campeonato Inglês, neste domingo, 29, mostrou que o atacante Cavani vai ser bastante útil ao time. O atacante saiu...

Médico de Maradona é denunciado por homicídio culposo

O médico de Diego Maradona, Leopoldo Luque, é investigado por suspeita de homicídio culposo – quando não há a intenção de matar. O ex-jogador argentino...

Grosjean sofre acidente e carro explode na Fórmula 1

O piloto francês Romain Grosjean sofreu um acidente, na manhã deste domingo, 29, na primeira volta do GP do Barein, na Fórmula 1. A...

CH Entrevista: Nour, do Now United, dá recado fofo aos fãs brasileiros

<span class="hidden">–</span>CAPRICHO/Sestini/Reprodução Atenção Uniters, a Nour é uma fofa e podemos provar! Sabe como? Com esta entrevista que a CAPRICHO fez com a integrante do...