Senado aprova venda de terras para estrangeiros

Projeto segue para a Câmara

A venda de terras a estrangeiros é motivo de debates há décadas

O Senado aprovou o Projeto de Lei (PL) 2.963/19, que permite a compra de terras rurais por estrangeiros, tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. O texto limita essa aquisição em até 25% do território do município. O projeto segue para a Câmara.

O projeto determina que as áreas rurais deverão cumprir sua função social. Para a aquisição de imóveis em áreas indispensáveis à segurança nacional, os compradores estrangeiros deverão obter o assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional. O conselho também deverá ser consultado no caso de compras de terras na Amazônia.

Para o autor do projeto, Irajá (PSD-TO), o projeto é importante para estimular a economia, a geração de empregos e produção de alimentos no país. Na visão dele, compra de terras por investidores internacionais pode atrair investimentos ao país de cerca de R$ 50 bilhões por ano. Parlamentares da base do governo e de partidos de centro apoiaram o projeto, que consideraram importante para o país.

Os senadores de oposição fizeram críticas ao texto. O líder do PT na Casa, Rogério Carvalho (PT-SE), afirmou que o projeto não estava maduro o suficiente para ser votado e que a questão era polêmica. Na opinião dele, o projeto entrega a soberania nacional para estrangeiros e põe em risco a performance da produção nacional de commodities, com prejuízo das exportações por empresas nacionais, uma vez que as estrangeiras já produziriam no país.

Debate antigo
A venda de terras a estrangeiros é motivo de debates há décadas, conforme estudo da Consultoria do Senado. O PL 2.963/2019 revoga a lei que regula a aquisição de imóvel rural por estrangeiros (Lei 5.709/1971), que prevê uma série de restrições para que eles possam adquirir terras no Brasil, como a limitação de dimensões das áreas que podem ser compradas e a exigência de autorização prévia do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para implantação de projetos agrícolas.

Na década de 1990, a Advocacia-Geral da União (AGU) emitiu pareces que permitiram a companhias nacionais com controle estrangeiro e empresas de fora com participação brasileira adquirir propriedades sem essas restrições, mas, em 2010, a AGU reviu esse entendimento e retomou os parâmetros da lei de 1971, o que limitou o acesso de estrangeiros à propriedade fundiária nacional.

Com Agência Brasil 

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Palmeiras x Grêmio: assista à transmissão da Jovem Pan ao vivo

O jogo entre Palmeiras e Grêmio, válido pelo Campeonato Brasileiro, acontece nesta sexta-feira, 15. A Jovem Pan apresenta todas as emoções do duelo ao vivo às 21h30...

Bolsonaro chama Doria de “moleque” e “calcinha apertada” e Datena fica em silêncio

Bolsonaro ataca João Doria em entrevista a Datena (Imagem: Reprodução – SBT – TV Cultura / Montagem – RD1) O presidente Jair Bolsonaro (sem partido)...

Carlos Bolsonaro ironiza “panelaço” de Luciano Huck e bolsominions associam Angélica a pênis de borracha

Carlos Bolsonaro ataca Luciano Huck em rede social (Imagens: Reprodução / Globo – Instagram) Assustado com o panelaço proposto por Luciano Huck e apoiado por...

MPRJ denuncia 11 pessoas por incêndio no Ninho do Urubu que matou 10 adolescentes

Nesta sexta-feira, 15, o Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou à Justiça 11 pessoas envolvidas no incêndio no Centro de Treinamentos de Regatas...

Riverdale ganhará novo spin-off, de acordo com presidente da The CW

Teremos mais do universo de Riverdale? Parece que sim! O diretor da The CW, Mark Pedowits, anunciou ao site Deadline que chegou a conversar...