Domènec Torrent condena racismo contra Gerson: ‘Não podemos mais tolerar’

Ex-treinador do Flamengo, Domènec Torrent usou as redes sociais nesta terça-feira, 22, para condenar o caso de racismo envolvendo o meio-campista Gerson ele acusa o colombiano Ramírez, do Bahia, de ter praticado injúria racial durante a partida entre as equipes no último domingo, 20. Através do Twitter, o técnico espanhol se solidarizou com o seu antigo comandando e disse que o preconceito é inadmissível. “Recebi com muita tristeza a notícia dos atos racistas contra o meia Gerson, que foi meu jogador no Flamengo e um homem de um caráter ímpar. O racismo é uma praga mundial que devemos combater todos os dias. Minha solidariedade ao Gerson e seus familiares!”, escreveu Dome. “Não podemos mais tolerar nesse tipo de situação!”, complementou.

Logo após a partida, Gerson explicou o por que se desentendeu com Ramírez. “Quero falar uma coisa: tenho muitos jogos como profissional e nunca vim falar nada porque nunca sofri esse preconceito. Quando tomamos um gol, o Bruno Henrique ia chutar uma bola, o Ramirez reclamou e fui falar com ele, que disse: ‘Cala a boca, negro’. Eu nunca sofri. Mas isso eu não aceito. Eu nunca falei de treinador. O Mano tem que saber respeitar as pessoas. Estou vindo falando em nome de todos os negros do Brasil”, relatou ao Premiere. Ontem, no entanto, o Bahia publicou um vídeo em que Ramírez dava a sua versão do ocorrido.  “Acontece que quando fizemos o segundo gol botamos a bola no meio do campo para sair rapidamente e disse ao Bruno Henrique: ‘jogue rápido, por favor’, ‘vamos irmão, jogar sério’. Aí ele joga a bola para trás e o Gerson, não sei o que me fala, eu não compreendo muito o português. Não compreendi o que me disse e falei ‘joga rápido, irmão’”, contou.

Nesta terça-feira, Gerson deu depoimento na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro. O volante foi acompanhado na delegacia pelo vice geral e jurídico do clube, Rodrigo Dunshee de Abranches, pelo advogado Rômulo Holanda, além de seu pai, Marcão, que também é seu empresário. O jogador deixou o local sem conceder entrevista, mas deu uma declaração em vídeo publicada no perfil do Flamengo nas redes sociais. “Vim falar sobre o ocorrido, mas não vim falar apenas sobre mim. Quero deixar bem claro que falo pela minha filha, que é negra. Pelos meus sobrinhos, que são negros. Meu pai, minha mãe, amigos .. por todos os negros no mundo. Hoje tenho status de jogador de futebol e voz ativa para poder falar e dar força às pessoas que sofrem racismo ou outros tipos de preconceito”, comentou.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Gustavo Gómez treina e deve reforçar o Palmeiras na final da Libertadores

O Palmeiras trouxe uma boa notícia para o seus torcedores na tarde desta sexta-feira, 22. Através das redes sociais, o clube mostrou que o...

BBB21: saiba o signo dos participantes do reality

Finalmente sabemos quem são os participantes do Big Brother Brasil 2021, tanto os inscritos da Pipoca, quanto os famosos do Camarote. Nesta edição tem...

Santos admite falha ao autorizar entrada de influenciador digital no CT Rei Pelé

O Santos emitiu um comunicado oficial na tarde desta sexta-feira, 22, afirmando que um funcionário do clube autorizou indevidamente o influenciador digital Ney Lima...

Médico de Maradona falsificou assinatura de ex-jogador para obter histórico médico

A Procuradoria da Argentina confirmou nesta sexta-feira, 22, que o médico Leopoldo Luque, responsável por cuidar de Diego Armando Maradona, falsificou a assinatura do...

Jemerson torce o joelho e deve ter rara sequência de jogos interrompida no Corinthians

O bom começo de 2021 de Jemerson pode ter sofrido um revés na noite de quinta-feira, 21. Titular nos últimos quatro jogos do time,...