Confiança do empresário industrial recua em janeiro

A queda demonstra a elevada incerteza com relação à evolução da pandemia

O crescimento do contágio do coronavírus eleva o risco de retorno das medidas de ampliação do isolamento social, o que impactou o resultado

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ficou em 60,9 pontos em janeiro de 2021 ante 63,1 pontos em dezembro de 2020. A queda demonstra a elevada incerteza com relação à evolução da pandemia e seu impacto na economia brasileira.

Apesar da queda, o índice ainda indica confiança do empresário industrial. O indicador varia de 0 a 100 e todos os valores acima de 50 pontos são considerados positivos. Foram entrevistadas 1.286 empresas, sendo 491 de pequeno porte, 505 de médio porte e 290 de grande porte.

De acordo com o gerente-executivo de Economia da CNI, Renato da Fonseca, o crescimento do contágio do coronavírus em importantes mercados da economia mundial, como a Europa e os Estados Unidos, além do Brasil, eleva o risco de retorno das medidas de ampliação do isolamento social, o que impactou o resultado do ICEI.

“Mas é importante dizer que o indicador continua elevado, em 60 pontos, distante de 50, que é a linha de corte, entre um cenário de confiança e de desconfiança. Continua a perspectiva de crescimento, com investimentos em muitas áreas, nesse momento de recuperação”, explica o economista.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Marco Antonio Carbonari explica a diferença entre o vinho seco e suave

Você se considera um especialista de vinhos? Não? Pois então hoje é dia de aprender com Marco Antonio Carbonari.

Desemprego é o maior para o ano desde 2012

Porém, taxa de desocupação caiu para 13,9% no quarto trimestre

Curitiba é a única cidade da América do Sul entre as mais inteligentes do mundo

Capital paranaense foi escolhida pelo terceiro ano consecutivo