Endividamento dos brasileiros cai pela segunda vez consecutiva

CNC mostra que indicadores de inadimplência também continuam em queda

O cartão de crédito continua como a principal modalidade de endividamento

Caiu pela segunda vez consecutiva o número de brasileiros com dívidas em cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, crédito consignado, empréstimo pessoal e prestação de carro e de casa, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) de outubro apresentou retração de 0,7 ponto percentual, com relação a setembro, e apontou que 66,5% dos consumidores estão endividados. No comparativo anual, contudo, o indicador registrou aumento de 1,8 ponto percentual.

Os sinais de melhora do índice, que chegou a alcançar a maior proporção da série histórica em agosto (67,5%), são reflexo da melhor perspectiva econômica. A mudança nas trajetórias do endividamento com relação à renda se manteve em outubro. Entre as famílias que recebem até 10 salários mínimos, o percentual caiu pela segunda vez seguida, chegando a 68% do total – após ter alcançado o recorde de 69,5%, em agosto. Entre as famílias com renda acima de 10 salários, esta mesma proporção teve o segundo aumento consecutivo, subindo a 59,4%.

“A redução do endividamento das famílias de menor renda nos dois últimos meses é um reflexo da diminuição dos valores dos benefícios emergenciais, o que exige mais rigor na organização dos orçamentos domésticos. Já o aumento das dívidas entre as famílias com mais de 10 salários indica que elas estão, aos poucos, retomando o consumo”, indica Izis Ferreira, economista da CNC responsável pela pesquisa.

Inadimplência
O total de famílias com dívidas ou contas em atraso também apresentou a segunda redução consecutiva, caindo de 26,5%, em setembro, para 26,1%, em outubro. Em comparação com o mesmo mês do ano passado, a proporção cresceu 1,2 ponto percentual. A parcela das famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, permaneceriam inadimplentes teve ligeira retração, passando de 12%, no mês passado, para 11,9%, em outubro. No mesmo período de 2019, o indicador havia alcançado 10,1%. “Ambos os indicadores diminuíram para as famílias com menor renda”, destaca Izis.

Com relação aos tipos de dívida, o cartão de crédito continua como a principal modalidade de endividamento para 78,5% das famílias. Na sequência, aparecem os carnês (16,4%) e o financiamento de veículos (10,7%).

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Genro de Silvio Santos, Fábio Faria compra briga por causa de Bolsonaro

Ministro das Comunicações, Fábio Faria sai em defesa de Bolsonaro(Imagem: Reprodução / Globo) Ministro das Comunicações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Fábio Faria foi...

Luciano Huck conversa com Marina Silva e Manuela D’Ávila contra Bolsonaro

Luciano Huck fez videochamada com Marina Silva e Manuela D’Ávila contra Bolsonaro (Imagem: Divulgação/ Globo) Virtual candidato à presidência da República em 2022, Luciano Huck...

Apesar da pandemia, cooperativas catarinenses têm surpreendente crescimento em 2020

Um dos dados mais relevantes é a expansão do número de cooperados que avançou 11,6%

Flávio Bolsonaro compra mansão, Rachel Sheherazade ataca sem dó e web reage

Jornalista Rachel Sheherazade se manifesta após Flávio Bolsonaro comprar mansão luxuosa em Brasília (Imagem: Reprodução – SBT – Globo / Montagem – RD1) O senador...

BC iguala limite do Pix ao das transferências eletrônicas

Para compras, passará a valer limite do cartão de débito