Investimentos têm alta de 2,2% no país em agosto

O trimestre móvel encerrado em agosto fechou com alta de 12%

Construção civil foi o destaque do mês, de acordo com o Ipea

O país registrou um aumento de 2,2% nos investimentos no mês de agosto, comparado a julho. O indicador foi divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O destaque foi o setor da construção civil, que apresentou crescimento de 16,6% no trimestre móvel.

“O indicador de investimentos em construção civil avançou 3,2% em agosto, na série dessazonalizada. O resultado sucedeu altas de 8,2% e 2,8% nos meses de julho e junho, respectivamente. Com isso, o segmento registrou um crescimento de 16,6% no trimestre móvel. Por sua vez, os outros ativos fixos fecharam o mês com queda de 1,2%”, ressaltou o Ipea em nota. Segundo o instituto, já na comparação com agosto de 2019, os resultados foram heterogêneos. Enquanto a construção civil apresentou alta de 7,3%, houve recuo nos segmentos de máquinas e equipamentos (10,3%) e outros ativos fixos (7,4%).

Os dados fazem parte do Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). O FBCF mede os investimentos no aumento da capacidade produtiva da economia e na reposição da depreciação do estoque de capital fixo. O trimestre móvel encerrado em agosto fechou com alta de 12%, puxado pelo aumento de 11,1% em máquinas e equipamentos.

Com Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor nesta terça

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante