O peitaço de Marta Rossi e seu Festuris

Dia 5, ela abre o primeiro evento turístico da América Latina no formato presencial desde o início da pandemia

“Fomos para a linha de frente nos posicionar”, conta a presidente da Rossi & Zorzanello, promotora do Festuris

Quando abrir oficialmente o seu tradicional Festuris, na noite de quinta-feira (5 de novembro), no Serra Park, em Gramado (RS), Marta Rossi estará fechando um longo, exaustivo e tenso processo de negociação que empreendeu com autoridades do município e do governo gaúcho para colocar de pé o primeiro grande evento turístico da América Latina a se realizar no formato presencial, desde o início da pandemia causada pela Covid-19. Nesta entrevista concedida ao Portal AMANHÃ, Marta fala de sentimentos que a impulsionaram nesta campanha para desafiar o pânico instalado no mercado e reparar o que considera uma injustiça – a pecha de “vilões” colocada nos setores de turismo e eventos. “Fomos para a linha de frente nos posicionar”, conta a presidente da Rossi & Zorzanello, promotora do Festuris. Confira a seguir.

Você anunciou a confirmação da trigésima-segunda edição do Festuris, de 5 a 8 de novembro, em Gramado. Será, conforme você divulgou, a primeira feira de turismo presencial da América Latina em um ano de pandemia. Como foi a tomada de decisão para avaliar e controlar riscos, e sobretudo remover resistências?
Nunca deixei de acreditar que realizaríamos o evento de forma presencial, porque acompanhando as análises da pandemia desde o seu início, tudo indicava que em outubro a curva iria desacelerar. Deixamos nosso time motivado de forma permanente, para que não desanimassem diante dos cancelamentos, porque o medo tinha instalado pânico no mercado e este recuava. Por vezes achávamos injusto que os setores de turismo e eventos fossem tratados como os vilões da pandemia, quando víamos os demais setores recomeçando. Fomos para a linha de frente nos posicionar, por uma questão de sobrevivência do mercado. E Gramado nos estimulou. Os empresários da cidade não se curvaram para a pandemia, lutaram para manter a cidade funcionando e impedir que o pânico aqui se instalasse.

O que haverá de diferente nesta edição do Festuris, em relação às 31 feiras anteriores?
O novo formato do evento terá preocupação constante com a saúde e segurança dos participantes, cumprindo uma série de protocolos aprovados pelo governo estadual e validados pelas entidades representativas do setor de eventos. Teremos corredores mais largos, estandes em formato de ilhas e ventilados, o check-in no evento será on-line para evitar aglomerações nas áreas de secretarias, além de outras medidas protocolares às quais nós tivemos de nos adaptar. Neste ano também estamos levando o nosso Meeting Festuris (debates sobre temas do turismo) para os pavilhões do Serra Park, na mesma estrutura onde acontece a feira de negócios. Essa foi uma medida tomada por nós para facilitar a logística e os cuidados com a saúde dos participantes. A feira também vai começar mais cedo neste ano, funcionando das 12h às 19h. Essas são as principais mudanças que destaco, mas a maior novidade creio seja interior, a vontade abafada que todos tínhamos de recomeçar.

O Festuris surgiu há três décadas. Neste período, você vivenciou algum desafio próximo ou remotamente parecido com o deste ano?
Todas as dificuldades pelas quais passamos, sempre são grandiosas e dolorosas no momento que estão sendo vividas. Passei por dores maiores que foram perdas. O que eu nunca tinha visto e nunca pude imaginar é que em uma época onde o desenvolvimento tecnológico transformou o planeta em um ninho, um vírus fosse fazer o planeta parar.

A paralisação dos negócios, que foi particularmente severa no mercado de turismo, criou uma demanda reprimida muito forte no setor? A recuperação da atividade deve se dar em ritmo veloz? Ou haverá um longo e gradual período de retomada?
O homem não vive em isolamento, ele precisa se movimentar e as viagens já faziam há muito parte do cardápio de nossa população. Se viajar pelo exterior não é possível, vamos conhecer este Brasil imenso e lindo, vamos rodar pelo nosso estado, forte em sua cultura e sua diversidade. Regiões que dependiam da força do mercado internacional, acredito, levarão um tempo maior para se reinventar. Quem sempre teve a força no turismo doméstico, irá se revigorar rapidamente. Acredito seja mais rápido do que imaginamos a partir da chegada da vacina.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Marco Antonio Carbonari explica a diferença entre o vinho seco e suave

Você se considera um especialista de vinhos? Não? Pois então hoje é dia de aprender com Marco Antonio Carbonari.

Desemprego é o maior para o ano desde 2012

Porém, taxa de desocupação caiu para 13,9% no quarto trimestre