Produção nacional de frango deve ser 5,5% maior no próximo ano

A pressão asiática por carne do Brasil deverá se manter em patamares elevados, prevê ABPA

“Apesar do momento altamente desafiador vivido neste ano a avicultura e a suinocultura do país fecharão o ano com resultados positivos”, comemora Santin

Conforme as projeções determinadas pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), a produção brasileira de carne de frango poderá alcançar até 14,5 milhões de toneladas em 2021, número que superaria em 5,5% os números totais previstos para 2020. Já as exportações deverão chegar a 4,3 milhões de toneladas, superando em até 3,6% o total que deverá ser exportado pelo Brasil em 2020. No mercado interno, a disponibilidade do produto pode chegar a 10,1 milhões de toneladas (+6,5%), com consumo per capita de até 47 quilos (+4,4%).

Já a produção brasileira de ovos deverá manter o ritmo de crescimento no próximo ano, com total de 56,2 bilhões de unidades, número 5% superior ao previsto para 2020. O consumo de ovos deve seguir em crescimento, chegando a 265 unidades em 2021, o que significa uma alta de 6% em relação à 2020. Por fim, a produção de carne suína poderá totalizar 4,4 milhões de toneladas a partir de janeiro. O número é cerca de 3,5% superior à produção projetada para 2020. Segundo o mesmo período comparativo, a alta esperada para as exportações de 2021 poderá alcançar até 10%, com total de 1,1 milhão de toneladas previstas. No mercado doméstico, a oferta poderá chegar a 3,32 milhões de toneladas, saldo até 3% maior que as projeções para 2020. E o consumo per capita poderá apresentar alta de até 2%, chegando a 15,6 quilos.

“A pressão asiática por carne de frango e carne suína do Brasil deverá se manter em patamares elevados em 2021. Ao mesmo tempo, há expectativa de retomada por importadores relevantes, como é o caso das Filipinas. Também é esperada a renovação da cota de importação pelo México no próximo ano. O efeito ‘Olimpíadas’ também deve favorecer as vendas para o Japão — país que é presença constante entre os três principais destinos de carne de frango. Por fim, tanto no exterior quanto no mercado doméstico, é esperado um significativo impacto positivo decorrente da retomada econômica, com a superação dos efeitos da pandemia”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

Recordes históricos
A produção, as exportações e o consumo per capita de carne de frango, carne suína e de ovos devem encerrar 2020 com números positivos. De acordo com Santin, diversos destes números são recordes históricos. É o caso da produção de carne de frango, da produção e das exportações de carne suína, e da produção e consumo per capita de ovos. “Apesar do momento altamente desafiador vivido neste ano — com custos em patamares históricos e os impactos econômicos e sociais causados pela pandemia — a avicultura e a suinocultura do país fecharão o ano com resultados positivos. Ao mesmo tempo em que apoiaram o abastecimento de alimentos em meio à crise, fomentaram novas oportunidades de trabalho e a economia de centenas de cidades onde estão instaladas. Um impacto direto na economia nacional”, argumenta Santin.

Na avaliação do presidente da ABPA, assim como em 2019, a crise sanitária de peste suína africana — que impactou o rebanho suíno da Ásia, de parte da Europa e da África — seguiu impulsionando as exportações brasileiras de aves e de suínos. “As nações asiáticas se consolidaram como principais importadoras das carnes de aves e de suínos do Brasil, e foram os principais vetores do resultado do ano nos dois setores”, explica. Outro grande fator de impacto nos setores produtivos foi a pandemia de Covid-19. “No mercado interno, o programa de auxílio do governo federal foi determinante para a garantia de acesso às proteínas nos núcleos da população mais impactados pela redução da atividade econômica”, indica Santin.

“No mercado internacional, o impacto no fluxo de passageiros retraiu a importação de grandes destinos islâmicos da proteína animal do Brasil, como os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita — especialmente no auge da crise pandêmica nestes países. Com a diminuição dos casos e retorno gradativo do turismo nestas nações, temos observado melhora significativa na venda destes mercados”, completa Luis Rua, diretor de mercados da ABPA.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor nesta terça

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante