Alta de preços recente não afeta inflação futura, defende Economia

Segundo estudo, piora de índice é fenômeno temporário

A SPE constatou que a piora recente na inflação de curto prazo não se transmitiu para as taxas de longo prazo

A alta recente dos índices de preços, decorrente principalmente do encarecimento dos alimentos, não afetou a inflação futura. A conclusão consta de relatório divulgado pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia. Intitulado Consolidação Fiscal e Inflação Esperada, o documento comparou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que ultrapassou o centro da meta de 4% nos 12 meses terminados em novembro, com as taxas dos títulos públicos de dois, cinco e de dez anos, chamada de inflação implícita. A SPE constatou que a piora recente na inflação de curto prazo não se transmitiu para as taxas de longo prazo.

Na avaliação da SPE, o fato de as taxas de longo prazo não terem subido revela que os investidores estão confiantes de que o impacto dos preços dos alimentos sobre a inflação representa um fenômeno temporário. Para o órgão, isso indica que a confiança em relação à gestão da economia não se deteriorou nos últimos meses. “As séries apresentadas sinalizam que a inflação observada no segundo semestre deste ano é pontual e limitada temporalmente. Pois, apesar da piora das expectativas da inflação de curto prazo, não há repasse da deterioração ocorrida neste ano para os preços dos ativos e expectativas de médio prazo”, ressaltou o relatório.

O estudo também comparou o comportamento do IPCA e dos juros reais (juro nominal menos a inflação) na última década. Segundo a análise, a diferença entre os dois indicadores elevou-se nos últimos meses, mas ainda está inferior a momentos de volatilidade na economia, como em 2015 e 2016. Segundo a SPE, a continuidade da política fiscal, com reformas estruturais e manutenção do teto de gastos, é essencial para manter as taxas dos títulos de médio prazo sob controle e segurar os juros em níveis baixos.

“A maior confiança de que a dívida pública é sustentável dá suporte ao regime de metas de inflação, tornando a política monetária crível. Dessa forma, a consolidação fiscal aumenta a convicção nos objetivos de longo prazo”, avalia o documento. Para a SPE, o processo de consolidação fiscal iniciado em 2016, com a instituição do teto federal de gastos, que limita o crescimento das despesas públicas à inflação, foi essencial para reduzir a inflação implícita, expressa nas taxas de médio prazo, e baixar os juros ao mesmo tempo.

Com Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Sul eleva participação no PIB industrial em uma década

Índice avançou 2,4% no período, de acordo com estudo da CNI O Paraná é o terceiro estado com...

Mercado aumenta previsão de crescimento da economia

Estimativa de expansão passou de 3,21% para 3,45%, neste ano A expectativa para a cotação do dólar caiu...

Começa a valer nova política de privacidade do WhatsApp

Órgãos de defesa do consumidor apontam problemas nas novas regras O WhatsApp “se comprometeu a colaborar” com os...

Plasfer: como se proteger em tempos de pandemia:

A Plasfer - Healthcare Products & Solutions é uma empresa que fabrica equipamentos de proteção individual. Há mais de 10 anos no...

STF decide a favor dos contribuintes sobre ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins

Ministros excluem ICMS destacado em nota fiscal da cobrança dos tributos federais Por outro lado, decisão favorece União porque só vale a partir de...