Arrecadação federal soma R$ 153,9 bilhões em outubro

Valor é 9,5% maior em relação ao mesmo mês de 2019

O crescimento é explicado pelo pagamento de tributos que haviam sido adiados como medida de enfrentamento à crise gerada pela pandemia

A arrecadação total das receitas federais atingiu, em outubro, R$ 153,9 bilhões, um crescimento real (descontada a inflação) de 9,5% em relação ao mesmo mês de 2019. Os dados foram divulgados hoje (24) pela Receita Federal. O crescimento é explicado pelo pagamento de tributos que haviam sido adiados como medida de enfrentamento à crise gerada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

As receitas administradas pela Receita Federal, como impostos e contribuições federais, arrecadaram em outubro R$ 146 bilhões, aumento de 12,3%. De janeiro a outubro, a arrecadação alcançou R$ 1,1 trilhão, queda de 9%. Em outubro, o volume de pagamentos de tributos que haviam sido adiados chegou a R$ 16,2 bilhões. As receitas administradas por outros órgãos, principalmente royalties do petróleo, somaram R$ 7,8 bilhões, com queda de 24,6% em relação a outubro de 2019.

Segundo a Receita, no mês passado o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) apresentaram uma arrecadação conjunta de R$ 33,4 bilhões, o que representa um acréscimo real de 19,9%. “Esse resultado pode ser explicado pelo acréscimo real de 7,4% do volume de vendas e pelo decréscimo real de 7,2% no volume de serviços [dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE] em setembro de 2020 em relação a setembro de 2019″, disse a Receita, em relatório.

Também houve recolhimento de parcelas adiadas anteriormente, relativas a maio de 2020, e aumento nominal de 137% no volume das compensações tributárias. A receita previdenciária teve arrecadação de R$ 42 bilhões, o que representa acréscimo real de 15%. “Esse desempenho é explicado pelo pagamento dos diferimentos [adiamento] do Simples Nacional relativo ao mês de abril de 2020, da Contribuição Previdenciária Patronal relativo ao mês de maio de 2020 e dos parcelamentos especiais relativos ao mês de junho de 2020 e pelo aumento das compensações tributárias com débitos de receita previdenciária”, informa o relatório da Receita.

Com Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Marco Antonio Carbonari explica a diferença entre o vinho seco e suave

Você se considera um especialista de vinhos? Não? Pois então hoje é dia de aprender com Marco Antonio Carbonari.

Desemprego é o maior para o ano desde 2012

Porém, taxa de desocupação caiu para 13,9% no quarto trimestre

Curitiba é a única cidade da América do Sul entre as mais inteligentes do mundo

Capital paranaense foi escolhida pelo terceiro ano consecutivo