Confiança do empresário está cada vez mais intensa

A percepção do setor industrial melhorou em novembro e se aproxima do pico pré-pandemia

Desde agosto, o ICEI retrata confiança ao registrar valores acima da linha dos 50 pontos

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) cresceu 1,1 ponto frente a outubro e atingiu 62,9 pontos em novembro. De acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgada nesta sexta-feira (13), a confiança está cada vez mais intensa e disseminada no setor industrial e o indicador está mais próximo ao pico pré-pandemia, de 64,7 pontos em fevereiro. O indicador varia de 0 a 100 pontos, sendo que todos os valores acima de 50 pontos indicam empresários confiantes, melhora da situação corrente ou expectativa otimista.

Desde agosto, o ICEI retrata confiança ao registrar valores acima da linha dos 50 pontos. O gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo, avalia que o aumento da confiança foi puxado pela melhora da percepção sobre as condições atuais da empresa e da economia brasileira em relação aos últimos seis meses, o que reforça a percepção de rápida e intensa melhora da atividade.

Já as expectativas para os próximos seis meses variaram pouco, mas seguem otimistas. O ICEI entrevistou 1.395 empresas, sendo 539 de pequeno porte, 526 de médio porte e 330 de grande porte, entre 3 e 9 de novembro.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor nesta terça

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante