Conta de luz ficará mais cara em dezembro

Custo será de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts hora consumidos

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reativou o sistema de bandeira tarifárias e definiu a bandeira vermelha patamar 2 para o mês de dezembro, a mais alta, com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts hora consumidos.

Em maio deste ano, em razão da pandemia de Covid-19, a Aneel havia decidido manter a bandeira verde acionada até 31 de dezembro deste ano. Entretanto, em reunião extraordinária, a diretoria do órgão avaliou que a queda no nível de armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas e a retomada do consumo de energia justificavam o aumento.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Segundo a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de apresentar um valor que já está na conta de energia, mas que geralmente passa despercebido.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Confiança do comércio tem queda menor em fevereiro

Segundo recuo consecutivo no ano revela preocupação dos empresários com a economia

Programa abre inscrições para apoiar startups do agronegócio

Intensive Connection tem a assinatura do hub de inovação AgTech Garage com apoio do Sicredi

Intenção de consumo das famílias recua

Indicador revela que incertezas econômicas têm aumentado a cautela dos brasileiros

Mercado diminui projeção para crescimento da economia

Expectativa para o PIB caiu de 3,43% para 3,29%