Contas públicas têm superávit recorde de R$ 24,2 bilhões em abril

Foi o segundo mês seguido de superávit primário

Segundo o Banco Central, houve superávit primário de R$ 75,8 bilhões no primeiro quadrimestre

As contas públicas registraram saldo positivo em abril pelo segundo mês seguido, segundo dados divulgados pelo Banco Central (BC). O setor público consolidado, formado por União, estados e municípios, apresentou superávit primário de R$ 24,2 bilhões no mês passado, o maior resultado positivo para o mês da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001.

O resultado primário é formado pelas receitas menos os gastos com juros, sem considerar o pagamento de juros da dívida pública. Assim, quando as receitas superam as despesas, há superávit primário. Em abril de 2020, houve déficit primário de R$ 94,3 bilhões, devido aos gastos extraordinários necessários para o enfrentamento da pandemia.

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, essa mudança no resultado em relação a igual mês do ano passado deve se repetir nos próximos meses. Isso acontece porque o resultado do ano passado foi impactado por aumento de despesas públicas para enfrentar a pandemia, recessão econômica e adiamento de pagamento de impostos. No primeiro quadrimestre, houve superávit primário de R$ 75,8 bilhões, contra o déficit de R$ 82,5 bilhões, de janeiro a abril de 2020.

Despesas com juros
Pela primeira vez no mês de abril, o resultado de juros apresentou receita maior do que as despesas. Em abril deste ano, houve receita líquida R$ 5,7 bilhões. Na série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001, o único mês em que tinha registro de receita líquida era março de 2016 (R$ 648 milhões). Em abril de 2020, foi registrada despesa líquida de R$ 21,5 bilhões.

Segundo o BC, contribuiu para essa evolução o resultado das operações de swap cambial no período (ganho de R$ 30,4 bilhões em abril de 2021 ante perda de R$ 8,3 bilhões em abril de 2020). O swap cambial é a venda de dólares no mercado futuro. Os resultados dessas operações são transferidos para o pagamento dos juros da dívida pública, como receita, quando há ganhos, e como despesa, quando há perdas. “O Brasil tem uma dívida líquida, ou seja, a dívida é maior que ativos, de forma que o esperado é que o Brasil pague os juros todos os meses. As exceções são muito raras”, explicou Rocha.

Com Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Ministro, marido de Patricia Abravanel defende Bolsonaro, ataca imprensa e minimiza 500 mil mortes da Covid

Ministro, marido de Patricia Abravanel defende Bolsonaro, ataca imprensa e minimiza 500 mil mortes da Covid (Imagem: Reprodução / Twitter) O Brasil chegou ao nível...

Ministro, genro de Silvio Santos negocia telejornal só de boas notícias do Governo Bolsonaro

Fábio Faria negocia telejornal a favor do Governo Bolsonaro (Imagem: Reprodução / Globo) Ministro das Comunicações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Fábio Faria negocia...

Atividade econômica de Santa Catarina cresce 0,56%

O resultado foi o terceiro melhor do país Santa Catarina mostra uma recuperação mais consistente do que...

Bolsonaro comprou briga com Edir Macedo antes de apontar Crivella para embaixada na África do Sul

Bolsonaro cutucou Edir Macedo durante crise da Igreja Universal (Imagem: Reprodução – SBT / Montagem – RD1) O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), algumas semanas...

Sul se torna a segunda principal região do país para a construção civil

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul elevaram sua participação para 18% Em 500 MAIORES DO SUL,...