No que depender do vinho, ceia será mais salgada

Até novembro, a bebida já aumentou 5,4% – 2,3 pontos percentuais a mais que a média do IPCA

O vinho poderá fechar 2020 com praticamente o dobro da inflação para o período

O grupo de alimentação e bebidas continua pesando no bolso do consumidor brasileiro. Ao anunciar a inflação de novembro, o IBGE diagnosticou mais uma vez que a maior variação (+2,54%) e o maior impacto (0,53 ponto percentual) foram causados por esse segmento, que em outubro tinha subido 1,93%. De acordo com o IBGE, a variação de 15,94% no acumulado de 12 meses para alimentação e bebidas é a maior desde outubro de 2003, quando ficou em 17,46%.

Com isso, o vinho também vem sofrendo as consequências. No acumulado anual, a bebida já aumentou 5,4% no Brasil – 2,3 pontos percentuais a mais que a média do IPCA (veja os principais indicadores por cidade, compilados pelo Cepas & Cifras, na tabela ao final deste post). No que depender da falta de matéria-prima, como garrafas, e aumento de insumos nacionais e importados, o vinho poderá fechar 2020 com praticamente o dobro da inflação para o período. Ou seja, a ceia de Natal – especialmente a bebida – vai ser mais salgada.

No Sul, Porto Alegre continua sendo a cidade mais cara para degustar a bebida de Baco (16,2% de alta no acumulado dos onze meses). Enquanto isso em Curitiba o preço recuou 2,1% no ano. E, se não bastasse isso, no mês passado os valores permanecerem estáveis.

O vinho degustado fora de casa viu o preço cair 3,7% no mês passado e apresenta alta de 7,9% no ano (lembrando que, pela metodologia empregada, esse item é pesquisado apenas na cidade do Rio de Janeiro).

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor nesta terça

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante