PIB da construção civil deve crescer 4% no próximo ano

Expansão do setor pode ser a maior desde 2013

O segmento deverá ter desempenho melhor que o restante da economia em 2021

Depois de um ano de retração por causa da pandemia do novo coronavírus, a construção civil deverá ter, em 2021, o maior crescimento para o setor em oito anos. Segundo projeções divulgadas pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), o Produto Interno Bruto (PIB) do segmento deve avançar 4% no próximo ano, depois de recuar 2,8% em 2020. Caso a estimativa se confirme, essa será a maior expansão para a construção civil desde 2013, quando o setor tinha crescido 4,5%. O segmento deverá ter desempenho melhor que o restante da economia. Segundo a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o PIB brasileiro de 2021 crescerá 3,2%.

O presidente da Cbic, José Carlos Martins, classificou de “otimista conservadora” a postura da entidade. A expansão ocorrerá sobre uma base de comparação fraca, com o nível de atividade da construção civil nos níveis observados no início de 2007. Além disso, o encarecimento de matérias-primas e o desabastecimento de alguns insumos podem prejudicar a recuperação do setor.

Martins ressaltou que o custo de materiais e equipamentos dentro do Índice Nacional da Construção Civil (INCC), índice que mede a inflação no setor, registrou alta de 17,7% de janeiro a novembro. Esse foi o maior encarecimento desde o Plano Real. Os preços dos insumos, segundo Martins, começaram a disparar no fim do primeiro semestre. De janeiro a maio, os custos subiram 2,7%, mas acumularam alta de 14,5% de junho a novembro.

Segundo o presidente da Cbic, a pressão de insumos como cimento, cabos de aço e tubos de PVC sobre a construção civil impacta os novos contratos, podendo resultar em obras mais caras e atrasos no cronograma. “Aí entra com todos desajustes, busca de reequilíbrio, que são custosos, novos prazos atrasam cronograma”, advertiu.

Pandemia
No início da pandemia, a Cbic chegou a prever encolhimento de até 11% no PIB do setor. Mas para Martins, chegar em dezembro com projeção de recuo de 2,8% e criação de 138,4 mil postos de trabalho acumulada até outubro, representa uma vitória da construção civil. Ele destacou que o segmento liderou a criação de postos de trabalho em 11 estados e no Distrito Federal, de janeiro a outubro, e ficou em segundo lugar em sete estados.

No terceiro trimestre, a construção civil cresceu 5,6% em relação ao trimestre anterior, marcado pelo auge das restrições sociais provocadas pela pandemia. Apesar da expansão significativa, o presidente da Cbic observou que o nível de atividades do setor ainda está 4,5% abaixo do último trimestre de 2019 e acumula retração de 36% em relação ao pico observado no primeiro trimestre de 2014.

Com Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Marco Antonio Carbonari explica a diferença entre o vinho seco e suave

Você se considera um especialista de vinhos? Não? Pois então hoje é dia de aprender com Marco Antonio Carbonari.

Desemprego é o maior para o ano desde 2012

Porém, taxa de desocupação caiu para 13,9% no quarto trimestre

Curitiba é a única cidade da América do Sul entre as mais inteligentes do mundo

Capital paranaense foi escolhida pelo terceiro ano consecutivo