RS reduz base de cálculo do ICMS do querosene para aviação

Norma determina que a carga tributária poderá chegar a 4%, sendo o que o máximo ficará em 7,5%

“Já temos operações em 15 cidades do Rio Grande do Sul. Nenhum outro Estado chega perto do que o Rio Grande do Sul tem”, afirmou o presidente da Azul, John Rodgerson

O governo gaúcho assinou um decreto que prevê mudanças na política de incentivo à aviação no Rio Grande do Sul. De forma a reduzir os impactos causados pela pandemia no transporte aéreo, o Estado está reduzindo a base de cálculo do ICMS na aquisição de querosene para as companhias. Na prática, quanto mais rotas, assentos e frequência de voos, dentre outros parâmetros, uma empresa oferecer no Rio Grande do Sul, menos imposto sobre o combustível irá pagar. O novo texto, que entra em vigor em 2021, determina que a carga tributária poderá chegar a 4%, sendo o que o máximo ficará em 7,5%.

O novo decreto prevê a redução do consumo mínimo de querosene no semestre, passando a ser de 5 milhões de litros, além da diminuição da disponibilidade de assentos no semestre que passa a ser de 1.404 (antes era 2.808). Cada meta tem um conjunto de pontuação e o somatório delas delimitará a alíquota efetiva de ICMS, sendo que quanto mais rotas regulares disponibilizadas, maior será a redução da carga tributária. O benefício já foi autorizado pelo Confaz e vem sendo adotado por vários Estados para o desenvolvimento regional.

A medida atualiza o Decreto 54.685. Assinado em julho de 2019 pelo governador e em vigor desde 1º de janeiro deste ano, já beneficiava a aviação regional com a redução de base de cálculo do ICMS. Como resultado, houve o fortalecimento da aviação regional, por meio das empresas Azul Linhas Aéreas Brasileiras e Gol Linhas Aéreas, encurtando as distâncias do interior gaúcho com a capital, outros Estados e países. Com a pandemia de coronavírus, as rotas existentes acabaram sendo suspensas. Atualmente, o Rio Grande do Sul tem seis em operação, sendo que duas delas começaram nesta segunda-feira (14) – Torres e Canela, ambas operadas pela Azul.

“Já temos operações em 15 cidades do Rio Grande do Sul. Nenhum outro Estado chega perto do que o Rio Grande do Sul tem”, afirmou o presidente da Azul, John Rodgerson. Dentre essas 15 estão as quatro rotas em operação, as duas inauguradas hoje mais Pelotas e Santa Maria. Uruguaiana, Caxias do Sul e Santo Ângelo devem ser retomadas em fevereiro e as demais – São Borja, Santana do Livramento, Bagé, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo e Vacaria – ao longo do próximo ano. “A Azul vai transportar vacinas de graça em qualquer uma dessas cidades e qualquer voo nosso. Estamos à sua disposição, governador, para fazer isso, porque acabando a pandemia, vamos voar muito mais alto, juntos”, acrescentou Rodgerson.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

BC estende acordo com Fed até fim de setembro

Contrato especial de swap vigorará por mais seis meses

Marco Antonio Carbonari explica a diferença entre o vinho seco e suave

Você se considera um especialista de vinhos? Não? Pois então hoje é dia de aprender com Marco Antonio Carbonari.

Desemprego é o maior para o ano desde 2012

Porém, taxa de desocupação caiu para 13,9% no quarto trimestre

Curitiba é a única cidade da América do Sul entre as mais inteligentes do mundo

Capital paranaense foi escolhida pelo terceiro ano consecutivo

Juros para famílias e empresas sobem em janeiro

Taxas do rotativo do cartão de crédito influenciaram resultado