Setor de serviços cai 4% em março

Resultado volta a ficar abaixo do patamar pré-pandemia

Serviços prestados às famílias caíram 27% em março

O setor de serviços apresentou queda de 4% na passagem de fevereiro para março, voltando a ficar abaixo do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020. O resultado elimina boa parte do ganho do mês anterior, que foi de 4,6%, quando superou o nível pré-pandemia pela primeira vez. Na comparação com março de 2020, o setor teve alta de 4,5%, após 12 taxas negativas seguidas. Já o fechamento do primeiro trimestre teve queda de 0,8% frente ao mesmo período de 2020. Com isso, o volume de serviços apresenta a quinta queda consecutiva nas comparações trimestrais. O acumulado nos últimos 12 meses é uma retração de 8%.

Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada nesta quarta-feira (12), pelo IBGE. “O setor mostrava um movimento de recuperação desde junho do ano passado e chegou a superar o patamar pré-pandemia. Mas, com a queda em março, encontra-se 2,8% abaixo do volume de fevereiro do ano passado”, explica Rodrigo Lobo, gerente da pesquisa. Três das cinco atividades investigadas na PMS tiveram queda, com destaque para o resultado de serviços prestados às famílias, que caiu 27%, a taxa negativa mais intensa desde abril de 2020 (-46,5%). Também contribuíram para o índice as quedas de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-1,9%) e de profissionais, administrativos e complementares (-1,4%).

Lobo explica que o resultado para essas atividades retrata o recrudescimento das medidas restritivas por conta do avanço da pandemia da Covid-19 no país. “Foram menos impactantes do que março de 2020, mas suficientes para fazer o setor de serviço recuar e voltar ao patamar pré-pandemia”, salienta o analista. Regionalmente, pouco mais da metade (14 das 27) das unidades da federação teve queda no volume de serviços na passagem de fevereiro para março. Entre os locais com taxas negativas, o impacto mais importante veio de São Paulo (-2,6%), seguido por Distrito Federal (-6,1%), Minas Gerais (-1,6%), Santa Catarina (-3,4%) e Rio de Janeiro (-0,8%). Em contrapartida, o Mato Grosso do Sul (11,8%) registrou a principal alta.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Ministro, marido de Patricia Abravanel defende Bolsonaro, ataca imprensa e minimiza 500 mil mortes da Covid

Ministro, marido de Patricia Abravanel defende Bolsonaro, ataca imprensa e minimiza 500 mil mortes da Covid (Imagem: Reprodução / Twitter) O Brasil chegou ao nível...

Ministro, genro de Silvio Santos negocia telejornal só de boas notícias do Governo Bolsonaro

Fábio Faria negocia telejornal a favor do Governo Bolsonaro (Imagem: Reprodução / Globo) Ministro das Comunicações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Fábio Faria negocia...

Atividade econômica de Santa Catarina cresce 0,56%

O resultado foi o terceiro melhor do país Santa Catarina mostra uma recuperação mais consistente do que...

Bolsonaro comprou briga com Edir Macedo antes de apontar Crivella para embaixada na África do Sul

Bolsonaro cutucou Edir Macedo durante crise da Igreja Universal (Imagem: Reprodução – SBT / Montagem – RD1) O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), algumas semanas...

Sul se torna a segunda principal região do país para a construção civil

Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul elevaram sua participação para 18% Em 500 MAIORES DO SUL,...