Ano de 2019 foi o segundo mais quente da história

O ano de 2019 foi o segundo mais quente da história, de acordo com o Serviço de Mudanças Climáticas da União Europeia. Os dados divulgados pelo Copernicus Climate Change Service mostram que as temperaturas mundiais no ano passado ficaram abaixo apenas das de 2016.

Já em um recorte por continente, 2019 foi o ano mais quente na Europa desde o início do registro de dados.

“Os últimos cinco anos foram os mais quentes já registrados e a última década foi a mais quente já registrada”, afirmou Jean-Noel Thepaut, diretor do centro Copernicus, citado pela AFP.

As temperaturas gerais em 2019 ficaram 0,6 graus Celsius (°C) mais quentes que a média de 1981 a 2010 e a temperatura da Terra, nos últimos cinco anos, aumentou entre 1,1°C e 1,2°C do que no período pré-industrial.

O Copernicus Climate Change Service afirma que as concentrações atmosféricas de carbono continuam aumentando, tendo atingido os seus níveis mais altos, no ano passado.

O aumento da temperatura acontece um ano depois que as Nações Unidas afirmaram que as emissões de gases de efeito estufa precisavam cair cerca de 7,6% a cada ano, até 2030, com o objetivo de limitar o aumento das temperaturas para 1,5°C.

* Com informações da Agência Brasil

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Lula surpreende e passa a seguir Juliette e Gilberto nas redes sociais

Lula passa a seguir Juliette e Gilberto nas redes sociais (Imagem: Reprodução – Agência Brasil – Globo/ Montagem – RD1) O ex-presidente Luiz Inácio Lula...

Bolsonaro se revolta com o Jornal Nacional e diz que prefere ver Chaves

Bolsonaro reage de forma inusitada contra o Jornal Nacional (Imagem: Reprodução – Globo/ Montagem – RD1) O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu novamente soltar...

Como fusões e aquisições contribuem para as estratégias de crescimento?

Temática será debatida em master live com especialistas do mercado no dia 11 de maio

Carlos Moisés é absolvido no caso dos respiradores

Governador estava afastado do cargo desde 30 de março

Produção de veículos recua quase 5% em abril

Anfavea prevê que fábricas poderão voltar a paralisar por falta de peças