Anvisa autoriza Butantan a importar 6 milhões de doses da CoronaVac

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, nesta sexta-feira, 23, a importação de seis milhões de doses da CoronaVac, vacina chinesa que será produzida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. “A Diretoria Colegiada decidiu, por unanimidade, autorizar a importação, em caráter excepcional, de  6.000.000 (seis milhões) de doses da Vacina Adsorvida Covid-19 (inativa) – produto acabado, fabricada por Sinovac Life Sciences Co. Ltd. (China), conforme solicitação do Instituto Buntantan, nos termos do voto do relator”, diz o texto, disponível no site da agência. A decisão foi tomada um dia depois de o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, questionar o prazo para a liberação da importação de insumos.

Em seu voto, o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres ressalta que isso não significa que a vacina poderá ser aplicada imediatamente no Brasil. “A utilização do produto ficará condicionada à obtenção de seu registro sanitário junto à Anvisa. Por oportuno, necessário esclarecer que a carga ficará sob a custódia do Instituto Butantan, seu fiel depositário, que deverá mantê-la em suas instalações, e em perfeitas condições de acondicionamento, até que possa ser utilizada ou destruída”. Em outro trecho, Barra Torres, relator do processo, ressalta que é de responsabilidade do Instituto Butantan “garantir a eficácia, segurança e qualidade do produto, inclusive o monitoramento do seu uso e o exercício da farmacovigilância”.

Diante da declaração de Dimas Covas, a Anvisa divulgou uma nota, nesta sexta, para negar que o atraso seja proposital. No comunicado, a agência afirma que no mesmo processo para a obtenção dos insumos estava o pedido para a importação excepcional “de vacina na forma de seringa preenchida e na forma de um produto intermediário, isto é, o produto não envasado/bulke”. “Assim sendo, não há nenhum tipo de retardo/atraso/morosidade por parte da Anvisa. A análise foi feita e as discrepâncias foram encaminhadas para o laboratório a fim de serem solucionadas”, diz outro trecho da nota. A explicação ocorre em meio ao imbróglio do Ministério da Saúde e o Estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses do imunizante. Após confirmar o compromisso de aquisição da Coronavac na última terça, a pasta voltou atrás depois de fortes críticas do presidente Jair Bolsonaro.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Indústria tem retomada moderada em março

Utilização da capacidade instalada se mantém em patamar elevado O emprego registrou o oitavo mês de avanço consecutivo Os...

Banco Central propõe criar Pix Saque e Pix Troco

A previsão é que os serviços possam ser usados no segundo semestre As duas inovações trarão mais...

Lula surpreende e passa a seguir Juliette e Gilberto nas redes sociais

Lula passa a seguir Juliette e Gilberto nas redes sociais (Imagem: Reprodução – Agência Brasil – Globo/ Montagem – RD1) O ex-presidente Luiz Inácio Lula...

Bolsonaro se revolta com o Jornal Nacional e diz que prefere ver Chaves

Bolsonaro reage de forma inusitada contra o Jornal Nacional (Imagem: Reprodução – Globo/ Montagem – RD1) O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu novamente soltar...

Como fusões e aquisições contribuem para as estratégias de crescimento?

Temática será debatida em master live com especialistas do mercado no dia 11 de maio