Ex-secretário de Saúde de SP comemora avanço no combate à AIDS, mas alerta para falta de informação

O ex-secretário de Saúde de São Paulo David Uip comemorou o grande avanço no combate à AIDS e à transmissão do vírus HIV nos últimos anos, mas alertou que ainda falta um sistema eficiente de informação sobre a doença no Brasil. “Faltam políticas públicas para gerar informações consistentes e constantes”, disse o infectologista em entrevista ao Jornal da Manhã deste sábado (1º), data em que é celebrado o Dia Mundial de Combate à AIDS.

“Falamos de AIDS no dia 1º de dezembro e no Carnaval. No resto do ano, pouco se fala de AIDS e das outras DSTs [doenças sexualmente transmissíveis]”, afirmou Uip. “Temos que entender que isso ainda é um grande problema para a sociedade”, continuou.

Por outro lado, o médico reconheceu que a área da terapêutica teve um grande e rápido avanço nos últimos anos. “Pacientes infectados são beneficiados por esquemas potentes. Conseguimos reduzir os efeitos do vírus com qualidade de vida”, comemorou. “As coisas caminham bem do ponto de vista terapêutico.”

Entretanto, ele criticou o fato de que o Brasil ainda não conseguiu erradicar a transmissão do HIV entre mãe e filho. “Não tem sentido ainda existir transmissão de mãe para filho. Uma mulher HIV positiva tratada não transmite o vírus para o filho”, afirmou David Uip.

Artigos Relacionados

Comentários

Compartilhar

Últimas Notícias

Balança comercial tem superávit de US$ 1,1 bilhão em fevereiro

Resultado é o mais baixo para o mês em sete anos

Confiança deixa de ser homogênea entre os segmentos da indústria

ICEI teve resultados setoriais difusos em fevereiro

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor nesta terça

Asfixia silenciosa por Covid-19: ‘Não senti nada, mas meus pulmões estavam tomados’, diz jovem

Apesar de não apresentar febre, tosse ou falta de ar, a engenheira de produção Bruna Chagas, de 33 anos, procurou o atendimento de saúde...

O ar que me falta

Três razões tornaram a leitura do livro de Luiz Schwarcz uma experiência fulminante