Tudo o que você precisa saber sobre vinhos de guarda

Faz parte do senso comum a crença na expressão “vinho, quanto mais velho, melhor”. No entanto, Marco Antonio Carbonari, dono da vinícola Villa Santa Maria, explica que na verdade a maioria dos vinhos são feitos para serem consumidos o quanto antes. Por isso, o enólogo recomenda, de maneira geral, abrir a garrafa e beber o vinho nos primeiros anos de vida, mas então onde entram os vinhos de guarda?

Alguns vinhos são feitos para envelhecer (ou evoluir). Então, um vinho de guarda é aquele que tem potencial para envelhecer. Entre as cepas tintas com bom potencial de guarda, vale destacar a Cabernet Sauvignon, Merlot, Mourvèdre e a Syrah. Já entre as castas brancas destacam-se Chardonnay, Muscadelle, e Roussanne.

Porém, Marco Antonio Carbonari explica que  o potencial de armazenamento do vinho resulta de uma combinação de fatores, incluindo o solo, o clima e a localização geográfica da vinícola, a escolha das uvas e o conhecimento do enólogo responsável pela rotulagem.

Estes vinhos são guardados para que passem por um processo de micro-oxigenação. Isto é, o oxigênio vai causar uma oxidação no vinho, que vai deixá-lo envelhecido. Este processo de envelhecimento causará alterações na cor, no corpo, nos taninos, na acidez e nos aromas. O tinto perderá sua cor e aumentará a complexidade e a sedimentação. O tanino e a acidez também são um pouco perdidos. Os ácidos e álcoois interagem com o oxigênio para formar aldeídos e ésteres. O branco tende a ficar mais escuro, chegando a ser dourado, e os aromas frescos são convertidos em aromas como mel e frutas como avelãs.

Marco Antonio Carbonari comenta que as condições de conservação são essenciais para que o vinho atinja o seu potencial máximo de armazenamento. A garrafa deve ser armazenada na vertical para que a rolha fique sempre em contato com o líquido. A temperatura ideal é entre 17 e 18 ° C,  e a adega deve ser mantida no escuro e protegida dos raios ultravioleta, com umidade do ar entre 60% e 70%.

Eles não são vinhos de todos os dias. No entanto, vale a pena ter a oportunidade de beber vinhos que são devidamente envelhecidos nas condições certas. A verdade é que tendem a ser mais caros. Quando os compramos quando somos jovens, eles já são caros e ainda mais caros no consumo ideal.

Artigos Relacionados

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Compartilhar

Últimas Notícias

Fernando Siqueira Carvalho explica como a tecnologia interfere na forma em que voamos.

Quem nunca quis voar? Com o passar do tempo a humanidade foi evoluindo e hoje em dia somos capazes de fazê-lo.Segundo Fernando...

Da plantação ao armazenamento: conheça a produção de vinho

Parece muito simples, mas existem muitos processos que afetam a qualidade final do vinho. Marco Antonio Carbonari, dono...

Tudo o que você precisa saber sobre vinhos de guarda

Faz parte do senso comum a crença na expressão “vinho, quanto mais velho, melhor”. No entanto, Marco Antonio...

Você já conhece a degustação online?

Na pandemia, o hábito de beber em casa se tornou mais popular. Desde o início do ano, o...

Marcio Alario Esteves comenta sobre o Motocross infantil

Marcio Alario Esteves é um grande entusiasta do setor automobilístico e nos conta neste artigo que a prática de esportes auxilia muito...